Novidades

09/03/2009

Bom, como eu passei bastante tempo sem postar aqui, vou contar o que andou acontecendo nos últimos tempos.

Apresentei a primeira parte do meu TFG, e tirei a incrível nota de 7.11 mas tá bom. Agora que o bicho pega.

No final das férias aconteceu em Belo Horizonte o ENEA (encontro nacional de estudantes de arquitetura), e eu fui. Alguns colegas meus da UNESC e uma turma de tubarão também entraram nessa, alugamos um ônibus e partimos rumo ao encontro.

A cidade enea foi montada dentro do Mineirinho, e recebeu cerca de 2 mil pessoas do Brasil interio, inclusive do Acre!

Como sempre, foi mágico, inesquecível, e rendeu milhares de estórias que não preciso contar aqui. Fantástico. novos amigos, novos horizontes, novos sonhos…

Algumas fotos, só pra dar o gostinho pra quem não foi ou nunca irá.

Anúncios

Soluções

03/17/2009

Hoje passou no Jornal do Almoço uma reportagem sobre a construção civil e sua relação com a comunidade, e eu gravei…




*

Como todos nós, moradores de Criciúma, sabemos, o Rio Criciúma é um grande esgotão. Existem inúmeras edificações construídas em cima de seu canal, vários esgotos desembocando em seu leito e, claro, respeito zero com os recuos necessários.
Embora muita gente já esteja acostumada com a situação, isso é um ponto que realmente me incomoda. Talvez por eu ter morado praticamente minha vida inteira sobre ele e sofrido com inúmeras enchentes, eu não consigo me conformar com essa deficiência na infraestrutura da cidade.
Um rio que poderia ser benéfico para a cidade, que poderia contribuir de alguma forma para o seu crescimento, foi praticamente esquecido embaixo das sujas, velhas e lamacentas estruturas de nossos edifícios. Se pelo menos recebesse um tratamento em suas margens, deixando-o mais visível e permitindo que as pessoas sentissem um mínimo de pena dele, resolvendo não sujá-lo mais, já seria um enorme começo… mas para isso, os inúmeros prédios que estão sobre ele precisariam ser derrubados, o que é praticamente inviável.
Este problema acontece em várias cidades que tem rios passando dentro de sua malha urbana, já que, com o tempo, o rio vai perdendo sua serventia, pois as ruas e os edifícios vão se tornando mais importantes que a natureza em geral. Eles acabam sendo esquecidos, pois ninguém mais pesca seus peixes ou usa-os como balneário ou transporte.
E então, após essa invasão do território fluvial pelo crescimento das cidades, começa a acontecer o que podemos, sim, chamar de vingança da natureza. As chuvas vem com força, levando morro abaixo tudo o que está solto do solo: folhas, ganhos, lixo, sujeira… os bueiros entopem… o rio transborda. Pronto, tá feito o estrago. E a população reclama, chora suas perdas: carros levados pela água, garagens inundadas, lojas tomadas pela água.
Essa é a hora de pensar que, se na hora em que fizeram o planejamento urbano da cidade tivessem pensado uma solução simples e eficiente para a questão de termos um rio passando no interior de nossa malha urbana, talvez esse problema de inundação não fosse tão frequente hoje em dia.
Mas, como agora já tá feita a cagada, o que são bem vindas são as soluções para amenizar o problema.
A reportagem mostra o sistema de cisterna para captação de água da chuva através dos telhados dos edifícios, que, além de ser uma forma de economizar água, também contribui para diminuir o fluxo de água nas ruas durante chuvas fortes.
Funciona de forma muito simples, e essa água captada ainda serve para irrigar jardins, lavar calçadas, desgarga de banheiro e etc.
O esquema é assim:
http://www.acquasave.com.br/esquema.html

*

Simples, barato e limpo. Quem mora em casa, pode adaptar sua residência para utilização desse sistema. Economiza um dinheirão na conta de água e ainda colabora com o meio ambiente, evitando o disperdício de água doce. Serve também para sua casa de veraneio, não esqueça!
Outra coisa que chamou a atenção na reportagem, mas ninguém citou, foi o telhado que aparece ali. Uma telha Basilit de cor clara. Pra quem estiver interessado em colaborar com a redução da temperatura nas cidades, pode começar por aí. Com a utilização de telhas claras, você estará evitando o aquecimento de sua cidade através da parte de sua edificação que mais recebe calor: o telhado.

É o mesmo efeito da tua roupa. Sai de casa com uma blusa preta num dia de sol. Troca por uma branca e sai de novo. Depois me responde com qual das duas o calor te incomodou mais!!!


Expo Revestir 2009

03/16/2009

Então gente… só pra comunicar que de 24 a 27 de Março estará acontecendo a Feira Internacional de Revestimentos, em São Paulo, no Transamérica Expo Center, das 10 às 19 horas. Esta feira expões todas as novidades e tendências do mundo dos revestimentos, e pra quem estiver passando por lá, vale a pena visitar.

http://www.exporevestir.com.br/

TFG 1

03/15/2009

Domingo sempre é um bom dia para fazer planos… Amanhã será a estréia do meu TGF, minha primeira orientação. Tô emocionada! Meu professor orientador é o Ademir França, e fiquei muito feliz por ele ter me aceitado.
Meu tema é Casa de Repouso para Idosos. Quem sabe eu mude um pouco o conceito, mas vai ser basicamente isso… Escolhi esse assunto porque colocamos minha avó materna em uma casa de repouso, e admito: é muito triste. Se fosse uma daquelas casas maravilhosas, com todo o conforto, que custam milhares de reais por mês, não seria tão ruim, mas, apesar de ser particular, esse asilo não oferece nem metade do que deferia oferecer.
Agora eles estão construindo uma nova sede, que, essa sim, terá tudo o que nossos queridos velhinhos merecem. Uma grande área verde, salão de festas, salas de descanso, um banheiro por quarto, e tudo mais. Fui convocada para ajudar no paisagismo e na decoração, o que me deixou muito feliz e empolgada. As obras já estão em andamento, assim que eu for fazer uma visita, fotografo e posto aqui.
Fiz alguns estudos semestre passado sobre uso de cores e sua influência em ambientes clínicos. Isso vai me ajudar muito na hora de propôr a composição de cores e móveis dentro da nova sede e também no meu TFG.

Falando em TFG, eu vou postar aqui um dia desses o da minha amiga Gabriela Tiscoski, que foi um sucesso. O assunto é muito legal e vai interessar a todos, mas esperem pra ver.

Também deixo meus Parabéns para minhas amigas Ana Paula e Marjoriê, formadas em enfermagem neste fim de semana, e para Mirela, Mona, Mari e Priscila, fomandas em Direito na mesma data. Sucesso!!!!

E um beijo pro João Renato, conforme prometido, já que ele decorou o endereço aqui do Edícula, e me falou, bêbado, no baile de sexta, que tinha vindo aqui fazer uma visita!

Agora chega de beijos que tá parecendo programa da Xuxa!

Ouro Preto, pra quem não conhece, é uma cidade linda. Totalmente preservada, com suas edificações, calçadas e calçamentos originais, abriga um grande número de universitários, devido à presença da UFOP (Universidade Federal de ouro preto). São inúmeras repúblicas, que tem como sede os antigos casarões.

A cidade nunca pára, e o clima é sempre festivo. Durante o carnaval, pessoas de todos os lugares se mandam para lá, ondem curtem festas nas repúblicas e carnaval de rua, com direito a trio elétrico, blocos, bandas e muito mais.

Ouro Preto é sede de grandes eventos também fora do carnaval. Todas essas festas acontecem nas praças da cidade, o que muitas vezes causa danos ao patrimônio histórico, já que nem todas as pessoas têm educação e respeito.

Vista da cidade através da sacada do Hotel Ouro Preto

Vista da cidade através da sacada do Hotel Ouro Preto

Foi pensando nisso que a Prefeitura Municipal convocou três escritórios para fazer o projeto de um centro de eventos para a cidade, sendo que o vencedor foi o de Humberto Hermeto e Francisco Albano Andrade, que propôs restaurar o pavilhão de uma antiga indístria. Segundo o Portal Arco Web,

“O conjunto ocupará a grande gleba onde funcionava a Companhia Industrial de Ouro Preto, fábrica de tecidos construída no final do século 19. A facilidade de acesso ao local, junto à rodovia BR-356 e ao lado da recém restaurada estação ferroviária Vitorino Dias, foi um dos fatores decisivos para a escolha da área.”

O bairro onde será implantado o Centro de Eventos, Bairro Padre Faria, é um bairro mais carente e periférico, que não segue o mesmo padrão de conservação de patrimônio dos outros bairros da cidade. A implantação deste complexo traria mais crescimento e valorizaria o local. E quando se fala em facilidade de acesso, isso significa muito, pois evita o trânsito intenso de veículos no interior da cidade, poupando-a de danos como por exemplo o desgaste do calçamento, a vibração do solo que danifica as edificações, a fumaça, o barulho, etc. Por ser uma cidade histórica, suas ruas não combinam com o trânsito de ônibus e  intenso fluxo de veículos (o que hoje é um grande problema em Ouro Preto).

“A solução parte do restauro do prédio principal – uma sólida construção com paredes perimetrais em alvenaria de pedra que beiram 60 centímetros de espessura – e da implantação de um pavilhão perpendicular, onde será instalado o palco. A demolição de diversas edificações posteriores, todas sem valor arquitetônico, abre espaço para grandes aglomerações humanas e evita interferências entre a fábrica e o pavilhão. Além disso, resgata a praça em frente da fábrica e libera a vista tanto para os dois edifícios como para o rio e a cachoeira existentes na gleba.”

Centro de Eventos. Fonte: Arco Web

Centro de Eventos. Fonte: Arco Web

As obras foram iniciadas no meio de 2008, e deverão finalizar em 2011.

Leia mais e veja o projeto completo em: www.arcoweb.com.br

Estudamos 5 anos, viramos noites, gastamos horrores com plotagens e material… tudo isso pra quê? Tem gente que pensa que ser arquiteto é simplesmente projetar casas e interiores.

Ao contrário disso, devemos usar nosso conhecimento pro benefício geral da comunidade. Se temos tantas atribuições, pra que focar em uma só? Claro que todo mundo vai se especializar em alguma coisa, mas isso não significa deixar de lado as outras coisas. Além disso, trabalhar sempre levando a sério a legislação e a ética já é um bom começo pra quem quer ser mais do que um projetista formado.  Isso serve pra qualquer profissão. Não fazer as coisas por debaixo dos panos, respeitar os colegas, as instituições e conselhos, e tudo mais que nossas mães sempre falaram.

Eu quero trabalhar com habitação social. Acabei me interessando por isso depois que começaram a falar sobre o assunto na faculdade… acho que, entre passar a vida projetando coisas normais ou me dedicar a um assunto que a maioria despreza, prefiro a segunda opção.

Claro que tenho um conceito pra tudo isso, mas resumindo, quero contribuir de alguma forma com as pessoas que não tiveram as oportunidades que eu tive na vida. Aquele história toda de conforto e qualidade de vida. Quero isso para todos, não só pra quem pode pagar por regalias tecnológicas que custam uma banana. Vamos investir em sistemas construtivos alternativos! Universidades, invistam em pesquisas! Novos materiais, novos conceitos! Acreditem na opinião de quem será beneficiado… questionem, mudem, mas não bebam pepsi porque faz mal pros dentes!